Reclama PB

Grupo protesta em loja do Carrefour em Brasília uma semana após morte de João Alberto

Por Redação em 26/11/2020 às 19:22:08

Estabelecimento foi fechado após chegada dos manifestantes, que levavam cartazes antirracistas. Homem negro foi assassinado por seguranças em unidade da rede, em Porto Alegre (RS). Protesto em unidade do Carrefour em Brasília uma semana após morte de João Alberto

TV Globo/Reprodução

Manifestantes fizeram um ato em frente a um supermercado da rede Carrefour, nesta quinta-feira (26), na 403 Sul, em Brasília. O protesto ocorreu no dia em que a morte de João Alberto Silveira Freitas completou uma semana. O homem, negro, foi assassinado por seguranças brancos em uma loja da rede em Porto Alegre, no Rio Grande do Sul (relembre abaixo).

O estabelecimento foi fechado após a chegada dos manifestantes, que carregavam cartazes antirracistas. "Por todas as vidas negras", dizia um.

Justiça do RS aceita pedido para prorrogar investigação sobre morte de João Alberto

7 dias após assassinato de João Alberto, Carrefour mantém lojas fechadas até 14h

O ato foi acompanhado pela Polícia Militar. Segundo a corporação, a situação estava "tranquila". Na última sexta-feira (20), data seguinte à morte e Dia da Consciência Negra, a mesma loja também foi palco de uma manifestação.

Morte de João Alberto

João Alberto Silveira Freitas, de 40 anos, foi espancado e morto por dois homens brancos em Porto Alegre.

Reprodução/Redes sociais

João Beto, homem negro de 40 anos, foi espancado até a morte por dois seguranças brancos no dia 19 de novembro. Segundo as investigações, a vítima teria discutido com uma funcionária da loja e, em seguida, foi agredido pelos suspeitos.

O policial militar Giovani Gaspar da Silva, de 24 anos, e o segurança Magno Braz Borges, de 30 anos, estão presos preventivamente pelo crime. Na terça-feira (24), a funcionária da loja Adriana Alves Dutra, de 51 anos, que acompanhou e filmou as agressões, também foi detida.

Nesta quinta, a Justiça do Rio Grande do Sul aceitou um pedido da Polícia Civil do estado e prorrogou o inquérito que apura o caso. Os investigadores terão mais 15 dias para continuar as diligências.

Também nesta quinta, o Carrefour manteve fechada por todo o dia a loja onde ocorreu o crime. A rede também interrompeu as atividades em todo o país até as 14h.

Veja íntegra do comunicado divulgado pela empresa:

"Em respeito ao luto da família de João Alberto Silveira Freitas e à sociedade brasileira, nesta quinta-feira, a loja Porto Alegre Passo D'Areia estará fechada durante o dia todo e as demais lojas no Brasil abrirão apenas após as 14h para reforço da conscientização antirracista e tolerância zero a qualquer discriminação.

Todo o resultado de vendas desta quinta e sexta-feira se somará ao resultado de vendas do último dia 20 de novembro no Fundo de Combate ao Racismo e Promoção da Diversidade criado pelo Carrefour, que já conta com o aporte inicial de 25 milhões de reais.

Sabemos que nada trará a vida de João Alberto de volta, mas não vamos medir esforços para que a transformação necessária aconteça.

Queremos nos unir com todos aqueles que quiserem ajudar nessa luta. Isso é o só o começo de mudança profunda e necessária.

Continuaremos atualizando a sociedade sobre as próximas ações nas próximas duas semanas."

Leia mais notícias sobre a região no G1 DF.

Fonte: G1

Botecos 83

Comentários

JA 729