Ampliar Office
Anuncie Aqui

Dentista presa em SP fazia consultoria para quadrilha, diz polícia

Por Redação Paraíba Atual em 01/12/2018 às 11:45:47

Foto: Arquivo Pessoal

A dentista presa em Registro, no interior de São Paulo, suspeita de integrar uma quadrilha que vendia medicamentos ilegais pela internet, prestava serviço de consultoria para um casal que morava em Foz do Iguaçu, no Paraná, e comprava remédios mais baratos no Paraguai. A polícia confirmou o envolvimento de Dayane Boechat no esquema após apreender dezenas de receitas com o carimbo da dentista no apartamento do casal paranaense.

A prisão da mulher aconteceu na última quinta-feira (29) e fez parte da Operação Eros, deflagrada no início do mês, em Niteróri (RJ). Era de uma agência dos Correios no Rio de Janeiro que as encomendas eram enviadas aos consumidores de todo o país.

Dayane se formou em odontologia pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ), mas atuava em um consultório em Registro. A 5ª Vara Criminal de São Gonçalo, no Rio de Janeiro, tinha um mandado de prisão expedido contra ela desde o agosto deste ano.

Receitas em branco, mas assinada por dentista eram endereçadas à casal no Paraná - Foto: Divulgação/Polícia Civil

Receitas em branco, mas assinada por dentista eram endereçadas à casal no Paraná - Foto: Divulgação/Polícia Civil

O G1 apurou que a dentista fazia uma espécie de consultoria à quadrilha. Como a jovem também tinha noções de farmacologia (substâncias farmacêuticas), quando faltava algum remédio ela procurava um substituto com princípio ativo parecido.

Na operação deflagrada no início de novembro pela equipe do 78º DP de Fonseca (RJ), a polícia prendeu o casal Flávia Conceição Ermácora e Antônio Sérgio Marsola, em Foz do Iguaçu, no Paraná. No apartamento do casal foram encontrados receituários em branco que já estavam carimbados e assinados por Dayane.

Além disso, os investigadores também tiveram acesso às mensagens enviadas entre Flávia e Dayane por meio de um aplicativo. De acordo com a polícia, o conteúdo das conversas confirmava o envolvimento da jovem no esquema.

As receitas eram utilizadas pelo casal para justificar a variedade e demanda de medicamentos e drogas que eram fornecidos regularmente para Paulo Jardel Cavalcante e sua esposa, Bruna Boechat, irmã da dentista. Bruna e Paulo moram no Rio de Janeiro e organizavam a logística da venda postando as encomendas nas agências dos Correios de Niterói para os consumidores em todo o país.

Dayane se formou em odontologia pela UERJ - Foto: Arquivo Pessoal

Dayane se formou em odontologia pela UERJ - Foto: Arquivo Pessoal

Comércio lucrativo

As atividades do comércio do qual, segundo a polícia, a dentista fazia parte, movimentaram mais de R$ 150 mil. A maior parte dos medicamentos comercializados pela organização está listada na Portaria 344/98 da Anvisa, e é considerada droga pela Lei 11.343/06, o que sujeita os envolvidos a responderem pelo crime de tráfico.

Entre os medicamentos vendidos estão abortivos, ansiolíticos, estimulantes cerebrais, tranquilizantes, anfetaminas, anabolizantes, inibidores de apetite, antidepressivos, estimulantes sexuais e antibióticos.

Contas em nome de laranja

Uma das contas bancárias que eram usadas para lavar o dinheiro estavam em nome de 'laranjas' (terceiros). Os consumidores que compravam os remédios depositavam na conta bancária do site que estava em nome de terceiros e, logo depois, repassava para outra conta. Uma dessas contas pertencia à dentista Dayane Boechat.

Centenas de medicamentos foram apreendidos - Foto: Divulgação/Polícia Civil

Centenas de medicamentos foram apreendidos - Foto: Divulgação/Polícia Civil


G1

Anuncie Aqui